agosto 11, 2012

Bucha – a Sociedade Secreta na São Francisco!

11 DE AGOSTO – DIA DO ADVOGADO E DA INSTALAÇÃO DOS CURSOS JURÍDICOS NO BRASIL, EM SÃO PAULO E EM RECIFE/PERNAMBUCO


A Faculdade de Direito do Largo de São Francisco praticamente escreveu a História da República e forneceu os seus principais personagens a ocuparem o posto maior do país: a PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA!
Desde a Proclamação da República, todos os presidentes civis do Brasil, na Primeira República (1889/1930), saíram da nossa Academia de Direito, com exceção do presidente Epitácio Pessoa, lançado candidato pelas oligarquias políticas exatamente para evitar a vitória de Rui Barbosa.
Assim, governaram o Brasil: Prudente José de Moraes Barros (1894/98) – primeiro presidente civil do Brasil, Manoel Ferraz de Campos Salles (1989/1902), Francisco de Paulo Rodrigues Alves (1902/1906), Affonso Augusto Moreira Penna (1906/1909), Wenceslau Braz Pereira Gomes (1914/1918), Delfim Moreira da Costa Ribeiro (1918/1922), Arthur da Silva Bernardes (1922/1926), Washington Luís Pereira de Souza (1926/1930) e Julio Prestes de Albuquerque (não tomou posse).
A chamada REPÚBLICA DOS BACHARÉIS foi a responsável pela consolidação do Regime Republicano no Brasil. Em 1930, com o crescimento e predominância da Oligarquia Rural no controle do famoso PRP – Partido Republicano Paulista, eclodiu a REVOLUÇÃO DE 1930, que contou com o apoio decisivo dos paulistas – a maioria deles originários da BUCHA – braço da maçonaria – que atuou de forma efetiva na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco e, por conseqüência, em todo o Estado de São Paulo e no País.
No dia em que se comemora a Fundação dos Cursos Jurídicos no Brasil e também o DIA DO ADVOGADO, vamos relembrar a importância que teve a BUCHA na consolidação da Democracia Brasileira e destacar a grande figura de RUI BARBOSA – formado na São Francisco  e membro da BUCHA e, ao depois, da Maçonaria (Loja América).
BUCHA: a sociedade secreta do Direito
A BUCHA esteve para a história da República como a Maçonaria para a Independência. Burschenschaft é o nome alemão (vem de burchen, bolsa) de uma institutição criada por um sujeito chamado Robert Du Sorbon, criador da Sorbonne, que, para atrair estudantes estrangeiros para a Sorbonne, criou bolsas de estudos, talvez pela primeira vez na história universitária do mundo. Então começou a chegar uma série de bolsistas alemães, que voltaram para a Alemanha com o nome de burschenschaft, quer dizer, mocidade da bolsa, mocidade estudantil que se beneficiou da bolsa. Bolsistas, em suma. E lá criaram (e até hoje existe na maior parte das universidades alemãs) a Burschenschaft, entidade aparentemente filantrópica, isto é, que custeia os estudos de estudantes que não tem como pagá-los, mas que depois tomou um matiz liberal e passou a lutar pelas causas liberais na Alemanha. Participou da Revolução Liberal de 1848, e alguns de seus membros foram obrigados a se exilar.
Um deles, cujo nome ainda não tenho, exilou-se nos Estados Unidos, onde chegou a ter uma grande influência junto a Abrham Lincoln, e um outro, chamado Julius Wilhem Johan Franck, veio para São Paulo. Da BUCHA, salvo referências mais ou menos irresponsáveis, o único registro existente é uma coisa completamente errada e falsa: um livro horroroso, anti-semita, integralista, do Gustavo Barroso, chamado a História Secreta do Brasil, em que ele apresenta a Burschenschaft como uma organização judaica internacional para destruir o Brasil...Mas não é nada disso, não é verdade.
Mas os segredos a que eles se obrigam – porque  era como na Maçonaria, o ritual maçônico, entrar para lá implicava em juramentos terríveis – um deles era o de não contar nada. Até hoje, se você conversar com um velho paulista daqueles, ele lhe conta tudo. Se você começar a falar de Burschenschaft, o máximo que você consegue é : “Não, isso é uma associação estudantil, negócio da Faculdade de Direito, não tem a menor importância, já acabou, isso não interessa.”
Há pouco vi – ninguém me contou – atas da Burschenschaft assinadas pelo José Carlos de Macedo Soares. O primeiro chefe da BUCHA chamou-se Diogo Antonio Feijó.
Julius Frank chegou a São Paulo e foi ser professor de alemão em Sorocaba. De Sorocaba foi levado para São Paulo pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, futuro marido da Marquesa de Santos. Depois, Julius  Frank foi professor de história geral, como então se chamava, do curso anexo da Faculdade de Direito de São Paulo.
Pois bem, é o único túmulo que existe dentro da Faculdade de Direito. A BUCHA é um fenômeno que não tem nada demais, é o mesmo fenômeno da Maçonaria: uma sociedade secreta de sujeitos amigos, companheiros, de famílias, vamos chamar assim, “mesma classe”, que passam pelas faculdades, que se sentem futuras elites dirigentes e que se entendem. Aliás, esse é um capítulo inteiramente novo, ainda por escrever da História do Brasil.”
(livro “Depoimento”, de Carlos Lacerda – Editora Nova Fronteira, pág. 86, 1977)

 RUI BARBOSA –
O ESTADISTA DA REPÚBLICA!

No momento em que o país passa por tão difícil situação política, com os valores republicanos sendo postos de lado e o exercício da política sendo praticado sem o idealismo e a retidão tão necessários, é oportuno que se lembre de RUI BARBOSA – O ESTADISTA DA REPÚBLICA!
Rui Barbosa: O Estadista da República!/ aqui


Quando se comemora a fundação da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP) e da Instituição dos Cursos Jurídicos no Brasil não poderia deixar de trazer, para conhecimento de todos, um rápido retrospecto da atuação de RUI BARBOSA, brasileiro exemplar que soube dignificar o exercício da cidadania e representar – com competência e idealismo! – a ciência jurídica no Brasil. E, como registro histórico, a atuação da imprensa botucatuense que tem sabido resgatar, para as novas gerações, o perfil desse grande patriota.
De todos os ex-alunos da Faculdade de Direito - todos brilhantes e patriotas modelares - a figura de Rui Barbosa se projeta em primeiro lugar, exatamente ele que por duas vezes disputou a Presidência da República sem conseguir o seu intento, vencido pela velha oligarquia política que manipulava os currais eleitorais e fabricava os dirigentes. Hoje, poucos haverão de se lembrar dos que foram eleitos na “disputa” presidencial com Rui Barbosa. Por outro lado, toda a Nação Brasileira o cultua e tem Rui Barbosa como orgulho da Pátria e exemplo às novas gerações.
Na tradicional Faculdade do Largo de São Francisco(USP) é que teve início a sua militância política : a 13 de agosto de 1868, pronunciava seu primeiro discurso político para homenagear José Bonifácio “a encarnação mais fascinadora das idéias liberais”, que vinha assumir a sua cátedra de mestre. A partir daí, nunca mais ficou ausente da vida pública brasileira. Em 1868, ainda estudante, Rui atira-se à campanha abolicionista e participa de debates na Loja América (loja maçônica que reunia o pessoal ligado à Faculdade de Direito, juristas, advogados e universitários), fazendo com que seu ponto de vista a favor de que todos os membros daquela Loja libertassem o ventre de suas escravas, prevalecesse. Com a República, passa a ter destaque especial na tribuna do Senado por longos anos. É considerado o Estadista da República, assim como Joaquim Nabuco foi considerado o Estadista do Império.
Destacou-se como brilhante advogado e jurista, como diplomata se destacou como “O Águia de Haia”, foi exilado, exerceu com idealismo o jornalismo e, como político – autor da 1ª. Constituição da República! – deixou plantado os ideais do Estado de Direito e as bases para a construção da Democracia Brasileira.

4 comentários:

Delmanto disse...

Dia do Advogado – 11 de agosto!
A figura maior de Rui Barbosa não encontrou, até os nossos dias, alguém que lhe ombreasse. Sua vida deveria fazer parte do ensino da CIDADANIA! Fez a famosa CAMPANHA CIVILISTA em uma época em que o militarismo sufocava a Nação. Autor da 1ª. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA, em 1891, inspirou-se no Império da Lei como o modelo ideal para uma sociedade onde imperasse a liberdade, a igualdade e a fraternidade. O Governo da Lei. A impessoalidade da Lei acima dos homens.
Ficou famoso como o ÁGUIA DE HAIA, por sua brilhante atuação, representando o Brasil, na 2ª.Conferência Internacional de Paz, realizada em Haia, Holanda. Discursando em inglês e em francês, Rui mostrou às grandes potências presentes o valor de seu país e a necessidade das Organizações Internacionais respeitarem as nações mais jovens e ainda em formação. Foi o grande destaque da reunião, saudado como vibrante revelação pelos jornais ingleses e franceses.
Formado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP), Rui Barbosa deixaria as mais belas páginas sobre cidadania e o Estado de Direito em sua famosa “ORAÇÃO AOS MOÇOS (1921), que preparou como Paraninfo dos formandos. Ficou histórica e virou referência nacional. Tão atual que , em 2010, fizemos de uma de suas frases o referencial para o tema tratado no livro “História da Vitória Política Paulista:1934”, que relata o idealismo dos combatentes de 1932 e a vitória paulista nas Constituintes de 1933 (Nacional) e 1934 (Estaduais):
“Eia, senhores! Mocidade viril!
Inteligência brasileira!
Nobre Nação explorada!
Brasil de ontem e de amanhã!
Daí-nos o de hoje, que nos falta...”

Nestes 40 e tantos anos, procuramos divulgá-lo nos jornais e revistas que editamos e em nosso livro, acima citado.
É um esforço. Mas é mais: é um dever!
Principalmente quando vemos tantos malfeitos a denegrirem a cidadania e a envergonhar a Nação Brasileira!

SALVE O DIA 11 DE AGOSTO – DIA DOS ADVOGADOS!
Salve, Rui Barbosa!!!

Delmanto disse...

No DIA DO ADVOGADO, vejamos uma lição de Justiça e de Democracia da pelo saudoso ADVOGADO SOBRAL PINTO!
Na citação dada no Blog do Augusto Nunes, pode-se ver o que foi SOBRAL PINTO e que ele não era realmente um Advogado, mas O ADVOGADO!
É uma lição:
“Vista por Sobral Pinto, “a advocacia não se destina à defesa de quaisquer interesses. Não basta a amizade ou honorários de vulto para que um advogado se sinta justificado diante de sua consciência pelo patrocínio de uma causa. (…) O advogado não é, assim, um técnico às ordens desta ou daquela pessoa que se dispõe a comparecer à Justiça. (…) O advogado é, necessariamente, uma consciência escrupulosa ao serviço tão só dos interesses da justiça, incumbindo-lhe, por isto, aconselhar àquelas partes que o procuram a que não discutam aqueles casos nos quais não lhes assiste nenhuma razão”.
Quantos advogados podem, hoje - com orgulho! – repetir as mesmas palavras de Sobral Pinto?
Quantos colegas defendem políticos desonestos com a desculpa de que, como advogados, são obrigados a defender seus clientes. Não é verdade! A ética impõe a análise da causa. Se o provável cliente não é honesto e pretende burlar a Lei, o advogado consciente não aceita defender a sua causa, sob pena de tornar-se conivente...
Muitos dirão que isso é utopia!!!
NÃO, ISSO É ÉTICA E CONSCIÊNCIA JURÍDICA E CÍVICA!!!

Anônimo disse...

Delmanto, muitos colegas que defendem políticos desonestos, tão comum hoje em dia, cobram caro e esse cobrar caro já é uma conivência com os malfeitos, ou melhor dizendo, com a ROUBALHEIRA. E nem venham dizer que o advogado tem que defender o cliente. Ele tem que DEFENDER E JUSTIÇA E A LEI! Se o seu cliente se enquadra em uma causa justa, tudo bem. Do contrário...E tem tantos advogados que se dizem de esquerda e defendem corruptos da direita e da esquerda, com a desculpa esfarrapada: são os ossos do ofício. Conversa fiada...
Os advogados que defendem os narcotraficantes, reiteradamente reincidentes, nada mais são do que o “facilitadores” da quadrilha, ou dá para denominarem-se de advogados?!?
E não são poucos os colegas “militantes da esquerda” que estão enriquecendo ao defenderem os malfeitos e exercerem a famosa “advocacia administrativa” ou, em outras palavras, exercerem o “tráfico de influência “ junto ao Governo Federal.
SOBRAL PINTO E RUI BARBOSA seriam EXTREMAMENTE úteis nos dias de hoje, ao defenderem a Justiça e a Honra e a combaterem os pulhas, os CORRUPTOS, os falsos advogados ou falsos defensores da Lei. Eta Brasil!!!
(carlosantoniomascarenhas@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Como é bonito ver uma vocação como a de Sobral Pinto. A defesa dos oprimidos. O enfrentamento, na Lei, aos poderosos de plantão. Nas duas Ditaduras que mancham a nossa História: a Ditadura de Getúlio Vargas e O Regime Militar. E Sobral Pinto, destemido, enfrentando com coragem os poderosos. Defendeu Miguel Arraes, Luiz Carlos Prestes, Carlos Lacerda, Juscelino, Jango e por aí em frente.
Ou seja: defendeu políticos com diferentes posicionamentos ideológicos , MAS NUNCA defendeu CORRUPTOS!!!
O império da Lei. Sempre afirmou que Democracia não aceita adjetivos: ou é ou não é!
Sobral Pinto – O ADVOGADO! – orgulho do povo brasileiro! (jair.castro66@yahoo.com.br)

Postar um comentário